MAESP firma parceria com movimento nacional dos ODS

03 projetos para quem adora ajudar crianças
3 projetos sociais para quem ama ajudar crianças e jovens
Fevereiro 2, 2018

Parceria inovadora e vigorosa tem foco no desenvolvimento de ações sustentáveis

O MAESP firmou parceria com o MNODS (Movimento Nacional dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável) a fim de impactar as ações desenvolvidas pela organização atendendo aos objetivos e metas propostas pela Agenda 2030.

Como surgiu as ODS?

No ano 2000, a Declaração do Milênio das Nações Unidas, adotada por 191 estados membros, incluindo o Brasil, criou os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) que consistia em um esforço internacional para o desenvolvimento de setores como: meio ambiente, direitos humanos e das mulheres, igualdade social e racial. Os ODMs estabeleciam 8 objetivos e 21 metas mensurados por 60 indicadores, com implementação até o ano de 2015.

Este foi o ‘start’ para o surgimento durante vários anos de diálogos e negociações que culminaram na adoção dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS).

O que são as ODS?

Em setembro de 2015, cerca de 150 líderes mundiais, entre eles: o Papa Francisco, a ativista paquistanesa Malala, a mais jovem ganhadora do Prêmio Nobel da Paz e Barack Obama, então presidente dos EUA, participaram da Cúpula das Nações Unidas sobre o desenvolvimento sustentável, que aconteceu na sede da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova Iorque. Esse encontro teve por objetivo adotar formalmente uma agenda mundial de desenvolvimento sustentável que serviria como um plano para erradicação da pobreza em todas as suas dimensões, uma plataforma de ação da comunidade internacional e dos governos na promoção da prosperidade comum e bem-estar para todos ao longo de 15 anos, ou seja, até 2030.

A agenda é única, pois seu plano de ação abrange todos os países e teve por base os resultados obtidos nas Cúpulas anteriores de 2002, 2010 e 2012, além dos pontos de vista de pessoas de todos os lugares do planeta. Esses resultados não foram praticamente ruins, ao contrário, mas ainda havia muito para se fazer.

Acordada pelos 193 Estados membros da ONU, a agenda adotada intitulou-se como Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), um compromisso em comum e unânime em acabar com a pobreza, lutar pela igualdade e justiça e combate às mudanças climáticas.

Os ODS são compostos por 17 objetivos e 169 metas prevendo ações mundiais de erradicação da pobreza, segurança alimentar, agricultura, saúde, educação, igualdade de gênero, redução das desigualdades sociais, energia, água e saneamento, padrões sustentáveis de produção e consumo, mudanças do clima, cidades sustentáveis, proteção e uso sustentáveis dos oceanos e dos ecossistemas terrestres, crescimento econômico inclusivo, infraestrutura, indústria, entre outros; divididos em quatro dimensões: social, ambiental, econômica e institucional.

Os ODS são o resultado de um acúmulo de experiências, debates e negociações globais.

O Brasil participou efetivamente do processo de negociação mundial, das discussões e definições da agenda das ODS em processo que teve início em 2013, dois anos antes do acordo, seguindo mandato da Conferência Rio+20.

Para o Brasil, a prioridade das ações está na erradicação da pobreza com iniciativas voltadas ao desenvolvimento sustentável e a superação das desigualdades regionais e intrarregionais.

Os ODS são abrangentes, detalhados, incluem temas transversais como pobreza, desigualdade, desenvolvimento econômico, clima, fortalecimento das instituições e segurança e sua complexidade, por si, já é um desafio para sua implementação. Apesar disso, os ODS têm grande poder de mobilização positiva, com oportunidades de articulação entre diversos setores.

A Agenda 2030 e os ODS afirmam que para pôr o mundo em um caminho sustentável é urgentemente necessário tomar medidas ousadas e transformadoras, desafiando a conquista de avanços reais através do envolvimento profundo por meio da ação e da cooperação entre os atores de diversos setores da sociedade civil, dos governos locais e do setor privado.

Se as metas ousadas dos ODS forem cumpridas até 2030, seremos a primeira geração a erradicar a pobreza extrema e iremos poupar as gerações futuras dos piores efeitos adversos das mudanças climáticas.

A sociedade civil e seus espaços de ação

Em seu espaços de ação, a sociedade civil participa nos processos de indicadores nacionais, na produção de dados qualitativos para a mensuração do processo de cumprimentos de metas e na mobilização de pautas e pessoas.

Os Major Groups (Grupos Principais) buscam representar a diversidade da sociedade civil internacional e seu papel é trazer um pouco do olhar da sociedade civil para temas discutidos em conferências de desenvolvimento sustentável e são os principais canais de participação da sociedade.  Os Major Groups representam nove setores:

  • Mulheres;
  • Crianças e jovens;
  • Povos originais;
  • ONG´s;
  • Trabalhadores e Sindicatos;
  • Autoridades locais;
  • Negócios e Indústrias;
  • Comunidade Científica e Técnica;
  • Camponeses e Grupos Rurais.

Desde a Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente e o Desenvolvimento, também conhecida como Eco-92, Rio 92 ou Cúpula da Terra, os Major Groups são vistos no âmbito da ONU como um espaço crescente de participação e engajamento.

Quase três décadas depois da Rio 92, a importância do engajamento desses nove setores da sociedade foi reafirmado no documento chamado “ O Futuro que nós queremos”, destacando o papel dos Major Groups para as futuras gerações sustentáveis.

O compromisso e o envolvimento da Maesp

A MAESP pode ser definida como um Major Group, pois é uma organização que trabalha para a sociedade, com a sociedade em favor da proteção de crianças em adolescentes em situações de vulnerabilidade, na cidade de São Paulo, desde 1962. A missão da MAESP é promover projetos sócio-educativos, culturais e esportivos por meio de ações inovadoras, motivadoras e integradoras. Os programas, projetos e ações da MAESP estão em consonância com as Leis de Incentivo e Renúncia Fiscal com a chancela do Governo do Estado de São Paulo, com a Organização das Nações Unidas (ONU) e com a plataforma dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentáveis (ODS), com a parceria com o MNODS.

De acordo com as recomendações da Agenda 2030 e dos ODS,  a MAESP posiciona-se com base em consulta, participação e consenso dos nossos membros e voluntários, buscando uma posição estratégica no âmbito das políticas públicas no Estado de São Paulo, com projetos e ações voltadas para a criança e os jovens em situações de vulnerabilidade, buscando colaborar no desenvolvimento intrínseco da pessoa humana,objetivando atingir a maior das metas do ODS a nível brasileiro, continuamente e sistematicamente na prevenção, diminuição e erradicação da pobreza e na promoção de uma maior equidade social.

O compromisso da MAESP com a articulação de ações e a monitoria dos indicadores para o alcance dos ODS permeiam nossa atuação.

Texto: Adriana Rodrigues

Fontes:

www.itamaraty.gov

www.estratégiasods.org.br

www.odsnospodemos.org

www.agenda2030.com.br

www.maesp.gov.br

www.sustainabledevelopment.un.org

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *